CDER_RS_1.jpg

Novos coordenadores do CDER-RS falam sobre o início do mandato 

Eleitos no Encontro de Entidades de Classe, que ocorreu em Bento Gonçalves, em outubro de 2021, os novos coordenadores do Colégio de Entidades Regionais RS, Eng. Civ. Leo Azeredo e Eng. Civ. e Seg. Trab. Alex Gustavo Marques Gobbato (adjunto), contam nesta entrevista o objetivo do mandato que iniciou em janeiro deste ano. O principal trabalho é aproximar conselheiros e Inspetorias das entidades de classe para conseguir ter a valorização e o fortalecimento do CREA-RS. Acompanhe! 

O QUÊ REPRESENTA PARA VOCÊS A ELEIÇÃO DE COORDENADORES DO CDER-RS? 

Eng. Civ. Leo Azeredo – Representa uma grande oportunidade, um voto de confiança pela renovação, aliada à experiência, para que possamos desenvolver um belo trabalho junto à diretoria do CREA-RS em prol das entidades de classe, buscando a valorização das mesmas, que são importantíssimas para a recuperação do prestígio do Conselho como um todo.  

Eng. Civ. e Seg. Trab. Alex Gustavo Marques Gobbato (adjunto) – É a oportunidade de trabalhar em prol do desenvolvimento de todas as entidades de classe profissionais vinculadas ao CREA-RS, buscando o crescimento sustentável, o fortalecimento e a valorização da classe técnica profissional

EXISTE UM PLANO DE TRABALHO QUE VISA A VALORIZAÇÃO DAS ENTIDADES DE CLASSE? 

LA Sim, existe um plano de trabalho bem extenso, pois sabemos das dificuldades que as entidades de classe estão vivenciando e temos o anseio de mudar essa realidade. A partir deste ano de 2022, o CDER-RS tem uma rubrica específica, graças ao trabalho da presidente do CREA-RS, Eng. Ambiental Nanci Walter, e das gestões anteriores, o que nos deixa orgulhosos e com ainda mais responsabilidades de aplicar corretamente, buscando promover ações que visem a efetiva valorização das entidades. Nessa linha que estamos trabalhando, com um plano de trabalho já predefinido, que ainda passará por ajustes finos, revisão da diretoria e dos coordenadores regionais do CDER-RS, para que estejamos todos alinhados e possamos trabalhar em conjunto.   

AG – Existe! Para o ano de 2022, foi confeccionado um Plano de Trabalho do CDER-RS para que sejam realizadas ações que visam o desenvolvimento e a valorização das entidades de classe. Estão previstos encontros e palestras com os coordenadores regionais do CDER-RS e os presidentes de entidades, a fim de criarmos, em colaboração mútua, diálogos que possam agregar no constante fortalecimento das entidades de classe.  

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DESAFIOS DAS ENTIDADES DE CLASSE CONSIDERANDO A PECULIARIDADES DE CADA REGIÃO DO ESTADO? 

LA – Os desafios são muitos. Hoje a grande maioria não tem recursos que viabilizem sua administração, parte em virtude do cancelamento do repasse das ARTs, que apesar de já fazer aproximadamente sete anos ainda afeta a realidade das entidades. Na busca de recursos junto ao Conselho, encontram também dificuldades em ingressar nos chamamentos públicos, justamente peala falta de infraestrutura adequada para atender as burocracias exigidas. Um dos principais desafios das entidades é buscar uma organização eficiente, de forma que consiga padronizar a participação nos chamamentos públicos e a realização de eventos e ações que viabilizem a captação de recursos para que se tornem sustentáveis. Nisso o CDER-RS tem o dever de contribuir.  

AG – Os principais desafios das entidades de classe são as dificuldades nas participações dos chamamentos públicos, bem como na prestação de contas dos projetos contemplados em tais chamamentos. Além disso, muitas têm dificuldades quanto às documentações exigidas para renovações de registro junto ao Conselho, quanto à captação de novos associados, entre outros.  

COMO FOI A EXPERIÊNCIA DE VOCÊS AO PARTICIPAREM DO ENCONTRO DE LÍDERES E A TROCA DE CONHECIMENTO COM OUTROS COORDENADORES? 

LA – Foi uma grande experiência, pudemos vivenciar as diferentes realidades nos diversos estados do Brasil. Percebemos que apesar dos desafios que encontramos aqui, estamos adiantados em muitos aspectos em relação a grande maioria das regiões, o que não diminui, de forma alguma, o nosso anseio por trabalhar e procurar evoluir. Ao mesmo passo, encontramos em algumas localidades estágios bem avançados em relação ao nosso, em nível de CDER, e estabelecemos bons contatos, para que possamos “trocar figurinhas” buscando implementar o que já foi testado e deu certo. Esta troca é fundamental. 

AG – Foi uma oportunidade muito enriquecedora! No Encontro de Líderes, nós coordenadores pudemos conhecer os outros líderes do CDER em nível nacional e verificar a realidade destes outros colegiados, constatando que os mesmos Colégios possuem similaridade de dificuldades enfrentadas pelas entidades de classe. Também tivemos a oportunidade de visualizar cases que poderemos implementar no CDER-RS, a fim de fomentar ainda mais o desenvolvimento sustentável das entidades.  

Grupo de Trabalho avalia registro das instituições de ensino e entidades de classe 

Grupo de trabalho formado em reunião de fevereiro. Créditos: Arquivo CREA-RS 

O Grupo de Trabalho encarregado de avaliar a Deliberação Conp nº 212/2021 se reuniu virtualmente, no dia 10 de março. A proposta visa a alteração da Resolução do Confea nº 1.070, de 15 de dezembro de 2015, que dispõe sobre os procedimentos para registro e revisão do registro das instituições de ensino e das entidades de classe de profissionais nos Creas. 
 
Estiveram presentes nas reuniões o Eng. Civil Leo Azeredo, coordenador do CDER; o Eng. Civil e Eng. Seg. do Trabalho Alex Gustavo Marques Gobbato, coordenador-adjunto do CDER; o Eng. Civil João Carlos Lindau; a Eng. Civil e Eng. Seg. do Trabalho Alice Helena Coelho Scholl; o Eng. Civil e Eng. Seg. do Trabalho Luiz Francisco Pedroso Lopes; o Eng. Ambiental e Eng. Seg. do Trabalho Leonardo Koenich Botelho; e o Eng. Agr. Mário Sérgio Blini Fernandes. 
 
O Grupo de Trabalho foi formado em uma reunião prévia, realizada no dia 9 de fevereiro. Foram previstos dois encontros, seguindo os dispositivos expressos no Capítulo III do Regimento do CREA-RS. As reuniões aconteceram nos dias 07 e 10 de março.   


Agora, a proposição formulada pelo GT será encaminhada para a presidente do CREA-RS, Eng. Amb. Nanci Walter, que levará ao conhecimento da diretoria do Conselho para posterior lançamento no site do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia - Confea/Consulta Pública. 
 
Na data da formação do GT, o coordenador do CDER, Eng. Civil Leo Azeredo, afirmou que o intuito das mudanças propostas é a simplificação de certos processos. “
Queremos simplificar o processo de renovação de registro. Sabemos que nossas entidades muitas vezes possuem dificuldades de cumprir os ritos legais e, reitero aqui, que esta simplificação não implica em um distanciamento destes quesitos legais, mas, sim, de uma facilitação”, disse. 

CDER Nacional quer mais colegiados nos Regionais 

Screenshot_13.jpg

Créditos: Thiago Zion/Confea 

O regimento dos Colégios de Entidades Regionais (CDER), a divulgação do CDER-BR, além do plano de trabalho e do calendário de reuniões, foram os destaques da reunião do colegiado durante o 11º Encontro de Líderes Representantes do Sistema Confea/Crea e Mútua. “Nossa intenção é buscar os Regionais que ainda não têm CDER e incentivá-los a formarem seus colegiados”, pontuou o Eng. Civ. Cassius Gomes Cancian, coordenador do CDER-SP. 

Screenshot_14.jpg

Durante a primeira reunião do grupo, foram eleitos como coordenador e coordenador adjunto, respectivamente, Eng. Amb. Luiz Guilherme Grein Vieira (CDER-PR) e Eng. Seg. Trab. Audenor Marinho de Almeida (CDER-PE).  

Entre os pontos abordados pelos coordenadores esteve a interação entre entidade e prefeitura. “Propomos que as entidades de classe tenham uma participação maior nos municípios, integrando comissões – como no caso das chuvas em Petrópolis. Nosso pleito é que os técnicos participem da defesa civil e que cargos de liderança sejam compostos por Engenheiros”, pontuou Cancian.  

Na tarde do segundo dia de reunião, os representantes dos diversos CDERS receberam um integrante da equipe de assessoria parlamentar do Confea, Guilherme Cardozo, que apresentou os pontos principais da  Agenda Legislativa Prioritária do Sistema Confea/Crea e Mútua  e falou sobre a importância da articulação política e da atuação conjunta dos diversos fóruns do sistema profissional.  

CDER Nacional quer mais colegiados nos Regionais 

Conselheira Andréa Brondani e presidente Joel Krüger durante reunião do Cder RS. Créditos: Arquivo Confea

No dia 17 de março, foi realizada a reunião do Colégio de Entidades Regionais do Rio Grande do Sul ( CDER-RS), coordenada pelo eng. civ. e seg. trab. Alex Gustavo Marques Gobbato, e que contou com a participação do presidente do Confea, eng. civ. Joel Krüger. Na ocasião, Krüger reforçou a importância das entidades nacionais: “Temos um carinho muito grande pelas entidades de classe e trabalhamos para que sejam cada vez mais fortes e pujantes. Visamos não apenas garantir a sustentabilidade e viabilizar recursos, pois temos consciência de que o conhecimento está na base, está nas entidades. Até por isso, esse alinhamento com o Federal é fundamental, pois balizam nossas decisões aqui em Brasília”, analisou o presidente.


Presentes presencialmente, a conselheira federal eng. agr. Andréa Brondani, representando o presidente Joel, e o gerente de Relacionamentos Institucionais, eng. amb. Renato Muzzolon Jr., participaram presencialmente. Endossando o que foi dito por Krüger, Brondani falou do seu trabalho em defesa das entidades e a importância que a atual gestão do Confea confere ao trabalho realizado na ponta. Andréa ainda destacou o sucesso e o ineditismo no Sistema – até então – ao criar o Programa Mulher e como tem sido importante estimular a participação feminina no Sistema. “Temos muitas pautas a serem celebradas nesta gestão, o Programa Mulher é uma delas, bem como a discussão proposta pela Conp (Comissão de Organização, Normas e Procedimentos) sobre renovação de registro”. 


Por sua vez, o gerente Muzzolon falou aos presentes sobre o trabalho da Assessoria Parlamentar (Apar), “que nesta gestão ganhou mais visibilidade e ferramentas, para o trabalho junto aos parlamentares. Vale lembrar que no Encontro de Líderes, realizado em fevereiro, deputados e senadores de quase todas as siglas partidárias participaram do Café e Política”, pontuou.  Muzzolon aproveitou para relembrar que a Agenda Legislativa Prioritária do Sistema Confea/Crea 2022 é uma construção coletiva no Sistema e que os projetos elencados são monitorados pela Apar, que desenvolve um trabalho diuturno junto ao Legislativo. 

© 2022 CREA-RS. Todos os direitos reservados.