No Rio Grande do Sul,
não Temos Problemas, mas Desafios

De ações políticas a administrativas, a minha gestão tem se pautado na proatividade e no sentimento de pertencimento. Nestes seis meses à frente da Presidência, tudo foi aprendizado. Portanto, aqui no CREA-RS não temos problemas, mas muitos desafios.

Nestes seis meses à frente da presidência, eu fiz de tudo um pouco: ações políticas e práticas. Algumas surpresas positivas, outras nem tanto. E, como eu expressei em uma das reuniões do CreaSul, encontro que reúne os presidentes dos Regionais da Região Sul, nós aqui do Rio Grande do Sul não temos problemas, mas sim desafios.

 

Eu acho que ainda falta para nós, profissionais que estamos aqui trabalhando honorificamente pelo Conselho, mais união. Sei que vários colegas têm uma expectativa muito grande na minha gestão. Por isto é que, cada vez mais, proponho a união para que possamos, em um crescente, buscar a valorização das atividades técnicas em defesa da sociedade.

 

Compartilho com vocês os resultados deste primeiro semestre de mandato. Entre as ações realizadas, ressalto as visitas institucionais que realizei nas esferas pública e privada, inclusive a alguns escritórios de Engenharia, onde pude ver o contentamento de todos, dos prefeitos, deputados, secretários de Estado, de colegas, com relação à nova postura que está sendo adotada pelo nosso Conselho. Também tivemos a visita de um ex-ministro aqui na nossa sede, e percebi que a postura desta gestão está sendo mais proativa e sempre se colocando à disposição, o que tem feito a diferença.

 

O balanço que eu faço é que temos muitas coisas a realizar. Eu quero que o atendimento aos profissionais e empresas melhore cada vez mais. Sempre digo, desde o tempo em que era inspetora, representante de Zonal e coordenadora das Inspetorias, que o CREA-RS tem excelentes funcionários, e temos mesmo. Sei que há muita cobrança nesses primeiros meses, ainda mais que enfrentamos um histórico de três anos de Presidência interina.

 

Quem é do nosso Sistema sabe o que passamos de 2018 a 2020. Agora, podemos ter um planejamento e pensar nas nossas ações, sem criar qualquer ruptura no fim do ano. Temos pelo menos três anos para colocar a casa em ordem.

 

Cheguei até aqui, e todos os dias me cobro como presidente e profissional. Quero ter orgulho de fazer parte do Conselho e da profissão que eu escolhi. Precisamos entender que primeiro escolhemos a profissão e depois a gente faz parte do CREA-RS. Nós não fazemos parte do Conselho logo que escolhemos a profissão.

Poucos de nós têm o entendimento de que precisamos nos registrar para exercer a nossa profissão e esta gestão vai trabalhar para acabar com esta lacuna.

 

Nós precisamos ir à raiz do problema, que somos nós à época em que éramos acadêmicos, mostrar o papel do Conselho e para o quê ele deve ou não servir. A função finalística da autarquia é a fiscalização do exercício profissional. Precisamos coibir, todos os dias, o exercício ilegal das nossas profissões. Nós temos o desafio de fiscalizar mais de 300 diferentes títulos profissionais. Somos um Conselho multiprofissional. Seria muito mais fácil se fôssemos de uma única atividade, mas não somos e é por isso mesmo que precisamos estar mais dispostos uns com os outros. Este é o olhar e o trabalho que queremos disseminar e incentivar, cada vez mais, esta cultura.  Entendo ser este o principal desafio destes seis meses.

 

O principal recado que eu posso dar a você profissional é que tenha orgulho do seu Conselho, porque estamos trabalhando muito para lhe proporcionar serviços melhores. Acho que é isso que falta. Penso muito como a Nanci Engenheira, e não como a Nanci presidente. Então, ainda não estou totalmente orgulhosa do meu Conselho como gostaria, porque eu acho que precisamos melhorar. Vamos disponibilizar, por exemplo, mais serviços no site e canais de atendimentos, para agilizar as demandas. Já melhoramos muito nessa gestão, implementamos a ferramenta do whats business que antes não tínhamos, vários departamentos, tanto na sede quanto nas inspetorias, não disponibilizavam desta opção de contato.

O profissional precisa ter contato com o seu Conselho. Acredito que nós precisamos resgatar o sentimento de pertencimento dos profissionais com relação ao CREA-RS. Sabemos que nós temos clientes críticos e precisamos acolher estas críticas para superar, crescer. Eu absorvo muito bem as críticas.

Ação Parlamentar

Esta gestão está mais atenta com relação aos projetos de leis que possam prejudicar o exercício profissional. O nosso Conselho sempre passa uma impressão, que nem sempre é justa, de que somos lentos nas ações parlamentares. Somos muito cobrados e, às vezes, com razão.

Esta é uma das principais ações desta gestão. Durante cinco semanas realizei várias diligências na Assembleia Legislativa do Estado, conversando com deputados. Estamos acompanhando ações junto a algumas Câmaras de Vereadores, também por questões de projetos de lei. A tramitação do PLC 39/2020 ainda é um dos nossos focos e tem pautado nossas redes sociais.  Este PLC prevê a fragilização da Lei Kiss e pretende trazer para dentro da lei estadual, que técnicos industriais possam fazer projeto e execução de PPCI. Nesta demanda estamos em conjunto com outros Conselhos e outras entidades, como o CAU-RS, Senge, Saergs, IAB e Sergs. Também tivemos o apoio da assessoria parlamentar do Confea, que esteve conosco cumprindo a agenda presencial.

De 6 a 8 de julho, estive em Brasília, acompanhada de uma comitiva com as principais lideranças do CREA-RS, em uma mobilização parlamentar, junto aos deputados federais e senadores gaúchos,  para a solicitação de apoio às medidas repressivas para emendas à MP 1.040/202, entre elas a revogação da Lei 4.950-A/1966 do salário mínimo profissional dos engenheiros e de outras categorias da área tecnológica e da saúde e as alterações relacionadas à Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) na área de engenharia elétrica. Outra pauta tratada é a PEC 108.

 

Defendo maior proximidade com os parlamentares, tanto os vereadores, como os deputados estaduais e federais e senadores. Acho que nós precisamos aproveitar mais as oportunidades que temos. Nós temos uma gama muito grande de colegas que estão como conselheiros, inspetores, membros de comissão, representantes de zonal e que têm um trânsito muito bom entre os políticos. E o Conselho precisa estar atento a esses profissionais, para que eles também levantem a bandeira pelo CREA-RS.

 

A nossa articulação política necessita ser mais intensa. Como é um compromisso de gestão, estou implementando a assessoria parlamentar. São poucos os Creas que dispõem no organograma, mas vamos incluir isso como uma proposta para que também fique para as próximas gestões, porque não podemos ter isso de forma honorífica, nós não podemos contar com um colega numa indicação para que vá representar o CREA-RS, nós precisamos ter alguém em tempo integral e isso requer uma contratação, então o Conselho vê esta forma, como uma maneira de ficar atento e mais presente nas ações e correr na frente.

 

Além disso, o CREA-RS precisa ser mais proativo, conforme solicitação de nossos profissionais. Acho que incluiria aqui a sensação de pertencimento. Proatividade é o que os nossos profissionais e nós queremos.

 

Desta forma, quero dizer que todos podem esperar desta presidente o comprometimento. Acho que isso é o mais importante. O CREA-RS precisa estar presente em tudo que puder, no máximo que puder, onde exista qualquer pauta técnica. Eu digo técnica que seja abrangente das Engenharias, da Agronomia e da Geociência. Nós precisamos estar lá, presentes. O CREA-RS já está sendo convidado e lembrado em várias pautas, e isso é um resgate que estamos fazendo. Então, o que os profissionais podem esperar, é que eu vá continuar com este comprometimento e que estou atenta aos acontecimentos das nossas profissões, buscando aproximação com os órgãos públicos, iniciativa privada, entidades de classe e com os sindicatos.

 

O meu gabinete está sempre aberto, porque esta gestão está à disposição para o trabalho e para atender às demandas de todos os profissionais e também para enfrentar os desafios, que são muitos. Eles são diários, mas estão sendo enfrentados com responsabilidade.

 

Eu acho que estou no momento certo dentro do Conselho. Se eu sou a certa, só o tempo dirá, mas eu estou no momento certo. O momento é esse e é nosso.

Eng. Ambiental Nanci Walter

Presidente do CREA-RS

© 2021 CREA-RS. Todos os direitos reservados.