A Problemática dos Inventários Florestais não Satisfatórios



Karina Marques Wolf Engenheira Florestal


Lílian Daniel Pereira Engenheira Florestal


Sabrina Marques Wolf Engenheira Florestal


Foto ilustrativa/ Shutterstock

O inventário florestal é uma atividade que objetiva conhecer com precisão os recursos florestais existentes em determinada área. Para tanto, são utilizadas técnicas de mensuração, princípios estatísticos e tecnologias que permitem descobrir, por exemplo, o volume de madeira produzido, quantidade de indivíduos por hectare e área basal individual e total. ​ Um exemplo bem conhecido dessa atividade técnica é o Inventário Florestal Nacional (IFN), coordenado pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB) pertencente ao Sistema Nacional de Informações Florestais. A metodologia de coleta de dados foi a amostragem não aleatória por conglomerados fixos, indicado para levantamentos de áreas extensas. A padronização permitirá a obtenção de dados confiáveis que irão auxiliar na definição de políticas florestais, na administração florestal do País e nos planos de desenvolvimento e uso das florestas. ​ Para o Engenheiro Florestal, o inventário é uma ferramenta de gestão utilizada na administração e na manutenção das florestas nativas e dos plantios comerciais. Ao longo do desenvolvimento da cultura florestal, realizam-se diversos levantamentos qualitativos e quantitativos que irão gerar curvas de crescimento e de incremento. Esse tipo de inventário pode ser denominado como “contínuo”, pois permite conhecer a variação da cultura ao longo do tempo. A periodicidade é variável, no entanto, quanto maior a frequência, melhor será o acompanhamento do crescimento dos indivíduos. ​ Já os inventários denominados como de “pré-corte” ou “pré-exploratórios” são geralmente realizados próximos ao fim de ciclo (corte final). Esses assumem especial importância, pois definem o rendimento financeiro que será recebido pelo investidor, seja ele empresário ou produtor rural. Muito mais que a quantidade total de madeira em volume m³, o inventário florestal informará a qualidade do tronco, o comprimento da tora e as classes de diâmetros produzidas e, por conseguinte, a utilização comercial, tanto por unidade de área como para a área total plantada. Esses dados são fundamentais no planejamento do uso final da madeira, com vistas a obter o melhor aproveitamento e gerar o máximo lucro. ​ No planejamento da atividade, leva-se em consideração diversos fatores. Espécie arbórea, tamanho da área amostrada, tipo de amostragem e grau de precisão requerida. Todas essas questões devem ser muito trabalhadas para que se obtenha um bom levantamento. ​ Um levantamento mal executado causará um planejamento errado da colheita florestal. Além disso, erros em inventários florestais provocam prejuízos financeiros significativos, pois se houver menos madeira do que o apresentado pelo inventário, o comprador será prejudicado. Se houver quantidade volumétrica maior do que a indicada, haverá perda de dinheiro pelo investidor. A diferença de poucos m³ pode significar o lucro real do produtor, que consiste na diferença dos custos totais do plantio (como mudas, insumos, mão de obra) e o valor total a receber. Além disso, inventários precários causam perdas financeiras à empresa ou à indústria de transformação, que não obterão a matéria-prima na quantidade prevista. ​ O uso tático do inventário de florestas plantadas por produtores rurais permite o conhecimento de seu investimento. O grau de detalhamento necessário pode ser orientado pelo Engenheiro Florestal para que não haja o dispêndio desnecessário de recursos financeiros. De nada adianta ter um ótimo plantio e um grande investimento sem haver um bom inventário florestal. ​ O Inventário Florestal de excelência é aquele que obtém resultados confiáveis. Esses resultados são alcançados através de embasamento científico e mão de obra especializada, que evitam desperdício de tempo e de recursos financeiros. Além disso, atualmente, se tem o uso de técnicas geoestatísticas aliadas aos conhecimentos da ciência florestal. Seu uso possui grande potencial para, por exemplo, a elaboração de mapas de rendimento do povoamento. ​ Para alcançar a excelência de produção no setor florestal e para a realização de inventários florestais, contrate sempre o auxílio técnico de um profissional habilitado, notadamente, o Engenheiro Florestal.


Artigo Florestal
.pdf
Download PDF • 2.71MB


0 comentário