• CREA-RS

Engenheira Química cria sabonete e aerossol que protegem contra o coronavírus

Atualizado: Set 30

A Eng. Quím. Fernanda Checchinato desenvolveu um sabonete capaz de neutralizar o novo coronavírus por até seis horas.


A Engenheira já havia lançado um aerossol que protege roupas e utensílios de vírus, bactérias e fungos por até um mês – e que também é eficaz contra o coronavírus. Os produtos eliminam 99,9% dos micro-organismos, têm certificação da Anvisa e possuem estudos e laudos de comprovação de eficiência. A Anvisa compartilhou recentemente um comunicado em que ressalta a importância de usar apenas produtos regularizados pela agência para diminuir o contágio da Covid-19, divulgando uma lista com esses produtos. Entre eles, estão os produtos desenvolvidos pela Engenheira.

O sabonete criado pela Eng. Quím. Fernanda Checchinato protege por até seis horas. Já o aerossol protege superfícies e tecidos por até um mês (Foto Arquivo CREA-RS)


O sabonete para mãos e corpo, que foi formulado especificamente para combater o novo coronavírus, faz parte de uma linha que também inclui spray e gel antisséptico sem álcool e é feita à base de óleo essencial de menta e de melaleuca, árvore comum na Austrália, que tem propriedades antibacterianas, antifúngicas, anti-inflamatórias e cicatrizantes. A linha neutraliza os vírus da influenza, H1N1, herpes, HIV e outros – alguns mais resistentes do que o SARS-CoV-2, que causa a Covid-19. A composição do sabonete apresenta clorexidina, substância utilizada no meio médico e odontológico como antisséptico e que possui efeito residual persistente, o que significa que seu princípio ativo permanece agindo por várias horas após a aplicação. Desse modo, o sabonete age contra vírus, como o coronavírus, por até seis horas se as mãos não forem novamente lavadas.


Já o aerossol é antiviral, bactericida e fungicida e serve para aplicação em superfícies como tecidos, calçados e equipamentos esportivos. Ele dura até um mês ou 20 lavagens nas superfícies, e descontamina máscaras de pano, roupas, solas de sapato, maçanetas e o interior de carros, por exemplo. O princípio ativo é o polímero de silicone funcional quaternizado, composto químico que rompe a membrana celular de vírus e bactérias. O produto forma uma camada protetora com milhões de nanopartículas desinfetantes, levando à morte dos micro-organismos que entrarem em contato com ele. O aerossol é eficaz contra bactérias causadoras de infecções hospitalar, alimentar e sistêmicas, pneumonia, miocardite, entre outros, e também contra vírus mais difíceis de matar do que o novo coronavírus. “Com base nisso, entendemos que os produtos também são eficazes contra o SARS-CoV-2”, explica a Engenheira.


A Eng. Fernanda conta que a ideia surgiu quando ela reingressou no mercado de trabalho, depois de retornar da França, onde fez parte do seu doutorado. Trabalhou como pesquisadora e consultora, mas não se sentia confortável no ambiente de trabalho, que era predominantemente masculino. “Como mulher e chefe de setor, sofri alguns boicotes, o que me desmotivou bastante”, lamenta. O episódio, no entanto, resultou em algo positivo: “Em 2010, decidi fundar uma empresa 100% brasileira, focada no conforto, qualidade e bem-estar da sociedade.”

E-mail: tecnico@aya-tech.com.br

62 visualizações

© 2020 CREA-RS. Todos os direitos reservados.