CDER_RS_1.jpg

21º EESEC aprova Carta de Caxias e elege Pelotas para receber a próxima edição

O evento reuniu cerca de 90 representantes das mais de 70 entidades registradas

O evento reuniu cerca de 90 representantes das mais de 70 entidades registradas. Créditos: Arquivo CREA-RS

 

A aprovação da Carta de Caxias do Sul marcou o encerramento da 21ª edição do Encontro Estadual de Entidades de Classe do CREA-RS. O evento reuniu cerca de 90 representantes das mais de 70 entidades registradas no Conselho gaúcho, na Universidade de Caxias do Sul (UCS), entre os dias 8 e 10 de setembro.

Leitura da Carta de Caxias do Sul

Leitura da Carta de Caxias do Sul

 

O fortalecimento e a divulgação da importância das ECs no Sistema e para os profissionais das Engenharias, Agronomia e Geociências, além dos mecanismos para se alcançar esses objetivos, agendaram as palestras, os debates e as discussões nos grupos de trabalho durante os três dias de encontro.

MEMÓRIA

Imagem1.png
6461.jpg

O fechamento aconteceu no dia 10 de setembro, e também contou com a apresentação dos exemplos de Planos de Trabalhos para que as EC acessem, por meio de convênios, os recursos disponibilizados pelo CREA-RS, Mútua e Confea.

Da Serra para o Sul

Pelotas é eleita por aclamação para receber o EESEC de 2023

Pelotas é eleita por aclamação para receber o EESEC de 2023

 

Na ocasião também escolhida, por aclamação, a próxima sede do EESEC. Pelotas, no Sul do Estado, receberá em 2023, o evento que reúne a base do Sistema, o Encontro de Entidades de Classe. A Associação dos Engenheiros Agrônomos de Pelotas (Aeapel) e a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Pelotas (Aeap) serão as duas entidades parceiras na realização da 22ª edição EESEC.
 

Quatro entidades apresentam cases de sucesso

Inspiração foi o objetivo do primeiro painel do segundo dia do 22º Encontro de Entidades de Classe, com a apresentação de quatro cases de sucesso de ECs gaúchas.

Associação Gaúcha de Engenheiros Florestais

Reunindo os Engenheiros Florestais, a Associação Gaúcha de Engenheiros Florestais (Agef) trouxe aos presentes as ações adotadas para viabilizar, financeiramente, a entidade que passou por sérias dificuldades e precisou do apoio dos associados e diretoria para se renovar.

“Focamos primeiro em vencer as dificuldades financeiras para seguir adiante e desenvolver as atividades. Para isso, fomos sinceros com os colegas sobre os problemas existentes, solicitamos ajuda, organizamos uma vaquinha virtual e fomos atrás de realizações de eventos, contando com apoio da Mútua, onde cobramos ingressos e voltamos a nos viabilizar”, explicou a presidente da Agef, Sabrina Marques Wolf, citando o primeiro evento realizado que foi o sobre o Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor), reunindo dezenas de profissionais.

Atualmente a entidade conta com novo site e revista, além de promover importantes eventos para a categoria. E Engenheira também mostrou os próximos projetos, como o lançamento do Guia Profissional e o Congresso sobre os 10 anos do Código Florestal.

Sociedade de Engenheiros e Arquitetos de Santa Cruz do Sul

Já a Sociedade de Engenheiros e Arquitetos de Santa Cruz do Sul (Seasc) apresentou seu plano de trabalho e patrocínios que é, há dois ciclos, apresentado às empresas privadas da região para promoção da entidade. O projeto conta com três cotas de patrocínios possíveis, com as devidas contrapartidas, destacando que a vantagem é a menor burocracia em relação às parcerias com entes públicos. Também, com o trabalho, consolidam a importância da entidade e de seus profissionais na região.

“O planejamento e a quantificação das ações são essenciais para demonstrar à iniciativa privada a abrangência e a importância da entidade”, destacou o presidente da entidade, Eng. Civil Leo Azeredo, que informou que atualmente, quatro empresas são parceiras fixas da Seasc. “As empresas estão renovando os patrocínios e vindo novas, entendendo que é viável.”

Acompanhado do 1º tesoureiro, Eng. Civil Luis Eduardo Vieira Leitão, que falou de projetos culturais que também atraem e divulgam a associação. “Temos o Pedal Cultural, em que promovemos uma pedalada pela cidade falando sobre construções, ação que envolve toda a comunidade, e não apenas segmentos da arquitetura e Engenharia.

 

Associação dos Engenheiros e Arquitetos da Região dos Vinhedos

O Congresso Estadual da Associação dos Engenheiros e Arquitetos da Região dos Vinhedos (Aearv) é o carro-chefe da entidade e, em 2022, chegou a sua quinta edição, reunindo mais de 300 pessoas, entre estudantes, arquitetos e Engenheiros de toda a região. Foram apresentados o modelo do evento que, além de palestras e workshops, reúne empresas e lojas em uma feira de negócios na rua coberta de Bento Gonçalves, e as formas de divulgação, que incluem redes sociais e a participação de influencers, profissionais renomados nas áreas da arquitetura e Engenharia. Com isso, o Congresso consegue recuperar o valor investido e, ainda, gerar verba para a manutenção de outras ações da Aearv.

“A sociedade tem que nos ver para nos tornemos uma entidade forte e temos que, também, fazer a divulgação aos futuros profissionais, que se sentirão confortáveis numa comunidade em que demonstra forte”, destacou o presidente da entidade, Arq. e Urb. Roberson Da Fré. Sobre o congresso, reforçou ser ele muito mais que palestras. “A rua coberta vira mais que uma feira, é uma experiência.”

 

Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Pelotas

Finalizando as apresentações, o projeto de braço social da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Pelotas (Aeap), o “Mulheres mãos à obra” foi apresentado pelo presidente da entidade, Eng. Miguel Medina. Com o objetivo de qualificar mulheres em situação de vulnerabilidade social para o trabalho na construção civil, o projeto já chegou a um total de três cursos ministrados, entre treinamentos teóricos e práticos e, em parceria com empresas da cidade, conseguiu dar a primeira oportunidade de trabalho às mulheres participantes. A ação colabora com a projeção da importância da entidade e dos profissionais na cidade.

“Para trazer pessoas para dentro da nossa entidade, temos que mostrar a importância das profissões à sociedade e o quanto é importante a presença do profissional nas obras e demais trabalhos da nossa área”, destacou o presidente, Eng. Miguel Medina. Para ele, uma preocupação importante no momento de formular algum projeto, é pensar em como ele será sustentável e perene, para além de uma gestão. “Essas ações dão visibilidade para a entidade e, mesmo não sendo a nossa finalidade principal, chama novos profissionais a se associarem. ”

Mesa-redonda: Como tornar o CDER parte das Entidades de Classe?

As ações principais ações dos CDERs de Santa Catarina e do Paraná para aproximar e fortalecer os Colégios das Entidades foram apresentadas pelos seus coordenadores, Eng. Sanit. Amb. Vinicius Ternero Ragghianti (CDER-SC) e Eng. Amb. Luiz Guilherme Grein Vieira (CDER-PR) aos dirigentes das entidades gaúchas. A mesa-redonda ocorreu de forma hibrida durante o 21º EESEC em Caxias do Sul.  

CDER-SC


Cinquenta entidades divididas em oito microrregionais. Assim está organizado o Colégio catarinense que, através de sua política de patrocínio, disponibilizou cerca de R$ 2 milhões para 116 projetos aprovados de 44 entidades de classe. “Este foi um aumento significativo. Começamos em 2020 com R$ 300 mil para seis projetos e este chegamos neste patamar apresentado”, destacou Ragghianti.

Representantes dos CDERs SC e PR presentes aos EESEC.

Representantes dos CDERs SC e PR presentes aos EESEC. Créditos: Arquivo CREA-RS

Ele também citou outras ações importantes do CDER no estado, como o lançamento do Manual da Diretoria de Entidade de Classe e o incentivo ao uso das redes sociais gratuitas, com oferecimento de treinamentos em marketing digital, o mapeamento das representações em órgãos municipais e a aproximação dos estudantes, através do Crea Jr. “Abrir espaço para os estudantes cria a possibilidade de novos quadros e trazer o Crea Jr. funciona muito bem para essa aproximação”.  

Por fim, falou do Crea Net para Entidades de Classe. “É um sucesso. Assim fizemos renovação por aqui nesta gestão, pois sabemos que as nossas profissões não sabem muito vender o seu peixe. Assim as entidades têm que se fazer necessárias, com representatividade, valorização e qualificação para seus sócios, para que percebam que a entidade é relevante, com as políticas de patrocínios funcionando como impulsionadora. ”

 


CDER-PR


Trazendo a experiência como coordenador do Colégio do Paraná e do Colégio Nacional de Entidades Regionais (CDER-BR) o Eng. Amb. Luiz Guilherme Grein Vieira apresentou números de ambos. “Temos hoje 16 Creas com a instituição do Colégios de Entidades: no Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Pará, Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo."

Já no Paraná 90 entidades compõem o Colégio, divido em oito regionais e congregando um total de 21 mil associados. Entre as ações, destacou as representações em conselhos municipais, comitês de bacia, conselhos estaduais, reuniões bimestrais do grupo, tendo em julho chegado à 82ª reunião. Também falou um pouco sobre o papel do DRI - Departamento de Relações Institucionais/Setor de Apoio às Entidades de Classe, dentro do CREA-PR.

Apresentou ainda, uma campanha de valorização das entidades e do associativismo, promovida pelo Conselho e que contou com peças para redes socias e vídeos de divulgação. “Essa é uma maneira de valorização das EC. Usamos como slogan de toda campanha ‘Entidade de Classe Forte, Profissional Forte’, sempre reforçando a importância da associação na vida dos profissionais. ”

Carta de Caxias do Sul

CARTA DE CAXIAS DO SUL

Com o objetivo de promover a integração entre os membros das Entidades de Classe, com troca de experiências, discussão  dos assuntos de interesse, propostas de políticas e ações de melhorias e aprimorar o relacionamento entre as mesmas, o CREA-RS e Colégio de Entidades Regionais do Rio Grande do Sul (CDER) realizaram o  21º Encontro Estadual de Entidades de Classe, que aconteceu de 08 a 10 de setembro, em Caxias do Sul  (RS), sob a coordenação do GT de Organização, composto por representantes do Conselho, Colégio de Entidades Regionais do RS, Associação Brasileira de Engenheiros Eletricistas (Abee-RS), Associação dos Engenheiros, Arquitetos, Agrônomos, Químicos e Geólogos de Caxias do Sul (Seaaq) e Associação dos Engenheiros Agrônomos da Encosta Superior do Nordeste (Aeane). O evento contou com o apoio da Mútua Caixa de Assistência dos Profissionais do CREA-RS (Mútua-RS) e da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

        

O regulamento desta 21ª edição do Encontro foi apresentado e homologado pelos participantes, representantes das Entidades de Classe registradas e cadastradas no CREA-RS.

No primeiro dia, os participantes trocaram experiências e tiveram a oportunidade de desenvolver na prática projetos que visam angariar recursos financeiros destinados ao desenvolvimento de ações de valorização das profissões da área tecnológica.

Representantes da Associação Gaúcha de Engenheiros Florestais (Agef); Sociedade de Engenheiros e Arquitetos de Santa Cruz do Sul (Seasc); Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Pelotas (Aeap) e Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos da Região do Vale dos Vinhedos (Aearv) trouxeram depoimentos e cases, demonstrando ações de sucesso, com os resultados obtidos.

Participaram 91 profissionais, com a representatividade de 43 Entidades de Classe que votaram e aprovaram as proposições arroladas a seguir:

A. Propostas de melhorias parcerias e convênios. Ao CDER-RS caberá fazer a interlocução com a presidência do CREA-RS para:

  1. Avaliar a pertinência dos limites estipulados no Plano de Aplicação de Recursos, uma vez que limita a construção do Plano de Trabalho, constantes do Edital de Chamamento Público n. 001/2021.
     

  2. Avaliação da tabela de repasse, no tocante aos parâmetros relativos ao número de associados – reduzindo a faixa, bem como no tocante ao aumento dos valores base.
     

  3. Viabilizar a Política de Patrocínios para as Entidades de Classe.

B. O CDER-RS ficará responsável pelo diálogo e apresentação de proposta às Entidades de Classe, com um estudo de viabilidade que possibilite a otimização de serviços especializados e investimentos de forma conjunta.

C. Apoio do CDER-RS à criação da Frente Educação de Qualidade para Engenharia, Agronomia e Geociências pela atual gestão do CREA-RS. Com a intenção de discutir temas referentes à qualidade de ensino, EAD e representatividade junto ao MEC.

D. Desenvolver um plano de ações institucionais, em conjunto com as Inspetorias, junto às prefeituras, buscando maior valorização e participação diante das decisões que envolvam atividades afetas aos profissionais do Sistema, como aprovação de projetos.

E. Manter o formato do EESEC anual, específico com a manutenção da participação de dois representantes de Entidades de Classe, dependendo do orçamento do ano do exercício. Também será sugerida a realização de evento, a cada dois anos, que reúna as lideranças do Regional, entre eles inspetores e dirigentes de Entidades de Classe.

F. Desenvolvimento de Campanha Publicitária junto ao CREA-RS sob o slogan “Entidade forte, profissional forte”.

G. Estabelecer um calendário de capacitação com presidentes das Entidades de Classe, três a quatro por ano, com a utilização da rubrica orçamentária destinada ao CDER-RS (orçamento do CREA-RS).

H. Que o CDER-RS faça a interlocução com o CDER-BR para uma atuação mais efetiva junto ao Confea, buscando atualização constante das legislações, regramentos e convênios (ABNT) que afetam e apoiam a sustentabilidade das entidades de classe.

MOÇÃO

O CDER-RS registra moção que solicita a implantação de política de patrocínios à Presidência do CREA-RS, ainda em 2022. O modelo patrocínio já está implantado no Confea e em alguns Estados. Consiste em uma forma mais simplificada de operacionalização e de atingimento de resultados.

A alternativa de patrocínio é uma ação de comunicação e promoção da marca, portanto, mais alinhada às premissas de fortalecimento do Sistema Confea/Crea/Mútua. E, além disso, a elaboração do plano de trabalho do patrocínio é mais simplificada, menos burocrática, somente comprovando a despesa realizada e aprovada no Plano de Trabalho. As duas alternativas, Chamamento Público e Patrocínios, podem conviver. No entanto, o patrocínio é mais rápido e objetivo.

As Entidades de Classe do RS esperam que essas propostas tenham o encaminhamento necessário junto ao CREA-RS e CDER-RS para que juntos possam trazer o crescimento das relações, aperfeiçoamento da gestão, rentabilização dos recursos aplicados nas entidades e suas sustentabilidades.

 Caxias do Sul, 10 de setembro de 2022.

 

Coordenação Estadual do Colégio de Entidades Regionais RS

Lançado o Guia AEA Facilita 2022

A Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Vale dos Sinos (AEA Sinos) lançou o Guia AEA Facilita 2022, que contém uma série de orientações sobre documentações e encaminhamentos juntos aos órgãos municipais para aprovação de projetos e outras informações pertinentes à área da construção. A publicação, que tem apoio do CREA-RS, foi apresentada em encontro com associados, realizado em 15 de agosto, na sede da entidade.

O presidente da AEA Sinos, José Luiz Garcias, explica que o Guia é um facilitador, uma vez que contém todo o passo a passo para aprovação de licenças municipais na cidade de São Leopoldo. “O objetivo foi desburocratizar os processos, tornando as informações acessíveis, o que garante assertividade e agilidade nos encaminhamentos”, citou.

Diretoria AEA Sinos

Diretoria AEA Sinos. Créditos: AEA Sinos

 

Para elaboração do material, a diretoria da AEA Sinos buscou informações junto aos setores responsáveis pelo acolhimento das solicitações da construção civil. Agora, segundo ele, o material será distribuído para entidades, empresas do setor e também disponibilizado nos órgãos públicos para acesso da população. “Fizemos um levantamento completo sobre todos os procedimentos, desde como solicitar informações de zoneamento, licenças de demolição, podas, reformas, regularização, impacto de vizinhança e desmembramento. Enfim, tudo o que está relacionado com obras”, explica Garcias.

Fonte: AEA Sinos

© 2022 CREA-RS. Todos os direitos reservados.